IMPACTOS AMBIENTAIS NAS OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no twitter
IMPACTO AMBIENTAL OBRAS CONSTRUÇÃO CIVIL RESIDUOS SOLIDOS

O presente artigo realizado incide em apresentar um estudo sobre os impactos ambientais causados pela construção civil. Este Artigo foi escrito pelo Engenheiro Civil Mateus Gomes Stefani.

A construção civil é um dos setores que podem causar diversos impactos ambientais, envolvendo desde o consumo de recursos naturais para produção de insumos para o canteiro de obra, até o aumento no gasto de energia elétrica por exemplo, este setor é um dos que mais geram resíduos, isso devido muitas vezes a falta de planejamento, falhas de projetos e etc.

Um melhor gerenciamento em relação aos itens citados acabaria gerando um ganho para o meio ambiente, além de gerar economia para a obra. Uma das maneiras de se reduzir os resíduos é dar aos colaboradores somente a quantia necessária de recursos para o seu trabalho. além claro do uso de materiais reutilizáveis, como por exemplo escoras metálicas ao invés de escoras de madeira.

Muito se tem discutido em relação a sustentabilidade, isso tem envolvido profissionais de várias áreas na busca por soluções viáveis para tal problema, edificações sustentáveis são sim fundamentais para a sociedade, para o crescimento da indústria da construção e uma conservação do meio ambiente.

Para que serve o PGRCC

O plano de gerenciamento de resíduos gerado pela construção civil é um documento técnico que identifica de geração de cada tipo de resíduos provenientes da construção, reformas, reparos, demolições e da preparação e escavação de terrenos diante da problemática e elevada geração de resíduos.

O objetivo do plano de gerenciamento é de estabelecer procedimentos necessários para o manejo e destinação necessária de resíduos. Sendo a indústria civil uma das maiores geradoras de resíduos, é necessário que haja uma maneira de reduzir, reutilizar e reciclar esses entulhos.

 

Palavras-chave: Impactos Ambientais, Sustentabilidade, Sustentabilidade na Construção Civil, Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

 

Oque são os Impactos ambientais nas obras da construção civil

Presente nos processos e atividades da construção civil, a degradação e poluição ao meio ambiente possui vasta importância diante da qualidade de vida da população. Desta forma é fundamental ser elaborado um trabalho de forma consciente e eficaz para o bem da sociedade.

Contudo, profissionais e pessoas que estão diretamente ou indiretamente ligados a esta profissão discutem a respeito deste tema desde o começo da década de sessenta, trazendo para a população ao longo de anos, princípios e orientações que estimulam e orientam a população a pensar neste fato, deste modo, para estar cada vez mais melhorando a vida da população e do meio ambiente.

Neste artigo foi realizada uma pesquisa voltada ao tema: Impactos ambientais causados pela construção civil, e para a realização do mesmo irá se discorrer sobre tópicos que tangem este tema como a Sustentabilidade, a Sustentabilidade na Construção Civil, a Declaração do Estocolmo, O Relatório de Brundtland, ECO-92, Construção Sustentável, e por fim Resíduos de Obras na Construção Civil.

Objetivo em falar sobre os Impactos ambientais nas obras da construção civil

Distinguir os impactos efetivados pela construção civil e submete-los a gerenciamentos para a coleta e reciclagem formam um grande problema para a sociedade. O descarte dos resíduos tem se tornado um incomodo global quanto ao prejuízo e poluição do meio ambiente, caso estes sejam descartados sem nenhum tratamento, onde se pode afetar tanto o solo, água e /ou ar.

A poluição do solo pode alterar as características físico-químicas, tornando-se o ambiente propicio ao desenvolvimento de transmissores de doenças. A poluição da água pode alterar as características do ambiente aquático, através da percolação do liquido gerado pela decomposição da matéria orgânica presente no lixo. Enquanto que a poluição do ar pode provocar a formação de gases naturais na massa de lixo, pela decomposição dos resíduos.

Diante a precedentes fatores sugere a seguinte chamada.

Como amenizar os impactos causados pelos resíduos e promover um desenvolvimento ainda mais sustentável?

A sustentabilidade na construção civil porta um alto grau de relevância para os objetivos globais. Esta observação tem como proposito buscar o reconhecimento dos caracteres técnicos que propiciem o levantamento de um edifício ecologicamente preciso, assim proporcionando um sistema sustentável de redução e reutilização dos resíduos sólidos.

Em direção a elaboração do presente artigo será realizada uma revisão bibliográfica, procurando traçar um paralelo entre o que dizem diferentes pesquisadores, será pesquisado artigos publicados entre 2010 a 2018, nas seguintes bases de dados, SCIELO, BIREME, ACADEMICO, foram utilizadas as palavras chave, impactos ambientais, sustentabilidade, sustentabilidade na construção civil, reduzir, reutilizar e reciclar.

 

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL

A reciclagem de resíduos na construção civil vem sendo deliberada com uma relevante prática para a sustentabilidade, ou seja, moderando os custos para o setor ecológico. No presente momento a discussão sobre sustentabilidade avança e envolve cada vez mais, profissionais de diversas áreas, e estes, em certos momentos se reúnem para trabalhar em conjunto na busca de soluções para este desafio proposto (CORRÊA et al., 2009).

Para Correia et al(2009) A definição de construção sustentável tem de estar evidente no período de existência do projeto, desde a sua criação até sua desconstrução, requalificação, destruição ou demolição. Torna-se inevitável uma exposição do que poderá ser realizada em cada fase ou etapa da obra, exemplificando as perspectivas, impactos ou destruições ambientais e como estas cláusulas devem ser trabalhadas afim de que se caminhe com destino a um mercado que tenha concepção e implantação sustentável.

A incorporação de práticas de sustentabilidade na construção é uma tendência crescente no mercado, sua adoção “é um caminho sem volta”, pois diferentes agentes, tais como governos, consumidores, investidores e associações, alertam, estimulam e pressionam o setor da construção a incorporar essas práticas em suas atividades (CORREA et al., 2009).

 

SUSTENTABILIDADE

A Sustentabilidade é um conceito usado para definir ações e atividades humanas que tem como propósito supri as necessidades humanas recentes, sem comprometer o meio ambiente para gerações futuras. A sustentabilidade tem característica ou condição do que é sustentável” ganhou novo significado segundo o dicionário, como “algo que é planejado com base na utilização de recursos e na

implementação de atividades industriais, de forma a não esgotar ou degradar os recursos naturais” (HOUAISS et al., 2012)

Segundo Correia (2009)A partir das definições, a sustentabilidade pode ser entendida como um conjunto de abordagens, consequências e princípios básicos dentro os quais, podem ser destacados:

  • Adequação ambiental;
  • Viabilidade econômica;
  • Justiça social;
  • Aceitação cultural.

 

RECICLAR, REUTILIZAR E REDUZIR IMPACTOS DE RESÍDUOS GERADOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL

Determinadas pesquisas relatam que de acordo com a Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil, o resíduo da construção civil é decorrente do processo da construção, reforma, escavação e/ou demolição popularmente, denominado trata-se do entulho. À construção civil, responsável por uma grande parcela do uso dos recursos naturais disponíveis, deve buscar soluções para este problema e a reutilização dos resíduos gerados e desperdiçados pode ser uma forma eficaz de contribuição ao meio ambiente (PANKA et al., 2011, p2).

Esses entulhos gerados em construções, são compostos de restos e fragmentos de materiais o fim desses entulhos, devem ser ecologicamente corretos. a vista disso, seu descarte não deve ser executado na natureza, nem acumulado no ambiente urbano, a viabilização da coleta seletiva envolve o desenvolvimento de um plano de gerenciamento de resíduos em cada obra, incluindo a conscientização e sensibilização da mão-de-obra e a introdução de rotinas de segregação/armazenamento dos resíduos e a organização dos seus fluxos(CORRÊA et al., 2009, p35).

Classes dos Resíduos Sólidos da Construção Civil

Os resíduos são tidos por classes, sendo elas: Classe A (recicláveis como agregados); Classe B (recicláveis para outras destinações); Classe C (recicláveis, mas sem tecnologias economicamente viáveis); e Classe D (resíduos perigosos).

Segundo Santos e Silva(2017, p288) Os resíduos de classe A gerados pela construção civil são: argamassa, areia, cerâmica e brita sendo de maior geração em relação as demais classes, visto que são compostos por materiais que detêm de grande demanda no canteiro de obras, tornando assim, os resíduos de classe A mais viável para possível reciclagem e reutilizado na forma de agregado.

Como forma de reduzir os resíduos gerados na construção civil e minimizar os impactos que os mesmos causam, é importante que se exerça o gerenciamento dos resíduos da construção civil para cumprir-se tal tarefa faz-se a reciclagem, sendo consideravelmente o melhor jeito de reutilizar o entulho, pois além de evitar que se torne lixo urbano ou poluente, coadjuva para a economia como oportunidade de trabalho e de negócio (MENDES et.al., 2004.).

Para Castro (2012) as principais razões para geração de resíduos são: falhas de projeto, projetos que não estão compatíveis, falta de procedimentos padronizados de serviços e o armazenamento e transporte inapropriado de materiais no canteiro.

Vários materiais convencionais podem ser substituídos pelo entulho. Antes de serem reciclados, os materiais são separados, o que for reciclável, é triturado em equipamentos específicos devido à falta de consciência e negligencia da população, muitos resíduos são depositados em locais inapropriados, causam inúmeros riscos e impactos socioambientais como por exemplo, proliferação de vetores de doenças, assoreamento de córregos e rios, e consequentemente poluição visual, ocasionando assim transtornos e prejuízos à cidade e aos cidadãos (MENDES et.al., 2004.).

.

PLANO DE GERENCIAMENTOS DE RESÍDUOS GERADO PELA CONSTRUÇÃO CIVIL

O plano de gerenciamentos de resíduos gerado pela construção civil é um documento técnico que identifica a quantidade de geração de cada tipo de resíduos proveniente da construção civil, reformas, reparos, demolições de obras civis e da preparação e escavação de terrenos diante da problemática de elevada geração de resíduos, a resolução CONAMA 307 (BRASIL, 2002) estabelece a necessidade de grandes geradores realizarem o Plano de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC).

Tem como objetivo de estabelecer os procedimentos necessários para o manejo e destinação ambientalmente adequados de resíduos, como tijolos, blocos cerâmicos, concretos, solos, rochas, resinas, tintas, madeiras, compensados, argamassa, gesso, pavimento asfáltico, tubulações, plásticos, vidros, entre outros, comumente chamados de entulho de obra. A grande maioria das cidades brasileiras, especialmente aquelas que apresentam elevados índices de urbanização, sofrem graves impactos ambientais provocados pela intensa deposição irregular dos RCC (SKOWRONSKI et al.,2013, p15.).

O Plano de gerenciamentos de resíduos indica a destinação conforme a classificação definida pela resolução CONOMA número 307/2002 e alterações. A segregação dos resíduos da construção civil deve ser feita na própria obra sobre responsabilidade do gerador, que deve garantir o adequado manejo nas etapas de gerenciamento, acondicionamento, transporte, transbordo, tratamento, reciclagem, destinação e disposição final.

Segundo Bueno (2018) os resíduos podem gerar impactos ambientais imensuráveis, por isso devem ser gerenciados, controlados e monitorados. É uma necessidade de adotar medidas e planos de gerenciamentos que visem minimizar a geração dos resíduos produzidos orientando seu correto acondicionamento, armazenamento, transporte e disposição final.

 

Reduzir, Reutilizar e Reciclar

Segundo Grande (2007)Definitivamente a redução de resíduos é umas das principais maneiras de se reduzir os impactos ambientais, abrange processos durante todo o ciclo de vida de uma construção, desde a racionalização do processo construtivo, componentes reusados ou renováveis até o fim do seu ciclo de vida. O desenvolvimento desse processo objetiva ampliar os benefícios ambientais conseguidos com cada um dos critérios a seguir:

Reduzir:

Quando não é possível recusar um produto ou material ,a melhor forma de resolver um problema constante no caso de resíduos, é a de evitar o seu aparecimento, reduzindo sua quantidade, reduz também o lixo gerado pelo mesmo, seja pelas embalagens ou pelo descarte, Segundo Bueno (2018).

Na construção civil pode-se, por exemplo, reduzir a quebra de tijolos, blocos de concreto solicitando ao fornecedor blocos cortados (meio bloco).Quando não é possível recusar um produto ou material, há a possibilidade de reduzir o consumo do mesmo. A melhor forma de resolver um problema constante, como é o caso dos resíduos, é a de evitar o seu aparecimento. Reduzindo sua quantidade, reduz também o lixo gerado por ele, seja pelas embalagens ou pelo descarte em si (FERNANDES; TEIXEIRA et al., 2006).

Reutilizar:

Baseia-se no aproveitamento de produtos sem que estes sofram quaisquer tipos de alterações ou processamento complexos, o reuso dos materiais na construção civil é normalmente muito simples, trata-se da execução de um desmonte. Para isso seria necessário um programa para organizar a demolição seletiva ou desconstrução para que os materiais não sejam danificados e que não sejam misturados a ponto de não poderem ser separados.

Reutilizar consiste no aproveitamento de produtos sem que estes sofram quaisquer tipos de alterações ou processamento complexos. Antes de um produto ser jogado fora, ele ainda tem muitos usos sem ter que passar por um processo de restauração ou reciclagem. Muitas vezes é preciso ser criativo, inovador, usar um produto de várias maneiras (FERNANDES; TEIXEIRA et al., 2006.).

É possível até mesmo confeccionar elementos estruturais através de Elementos de Concreto Demolidos.

Há relatos de utilizar-se estes resíduos “mais nobres” em Concreto Armado para fins de ensaios laboratoriais de resistência.

Reciclar:

Consiste na reintrodução, no processo produtivo, dos resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, para que possam ser reelaborados, dentro de um processo produtivo que envolva gasto de energia, gerando assim um novo produto idêntico ou não ao que lhe deu origem (FERNANDES; TEIXEIRA et al., 2006.).

Na construção civil, o aço tem boa reciclabilidade, no entanto seu processo é feito somente em escala industrial resultando num inevitável consumo de energia e impacto no meio ambiente, por isso não é costume recicla-lo e sim reutiliza-lo. Na construção civil, o aço tem boa reciclabilidade, no entanto seu processo é feito somente em escala industrial resultando num inevitável consumo de energia e impacto no meio ambiente, sem contar com o transporte e lugar para armazenamento. Por isso não é costume reciclá-lo e sim reutilizá-lo (FERNANDES; TEIXEIRA et al., 2006).

 

Vantagens e Desvantagens gerados pela reciclagem e reutilização de resíduos na construção

Além da colaboração com o meio ambiente, a reutilização de resíduos proporciona economia financeira.

 

Vantagens da reciclagem:

  • Conservação dos recursos naturais;
  • Aumento do tempo de vida e maximização do valor extraído das matérias primas;
  • Poupanças energéticas;
  • Criação de novos negócios e mercados para os produtos reciclados;
  • Redução da poluição atmosférica e da poluição dos recursos hídricos;
  • Participação ativa dos consumidores, o que implica uma maior consciência ambiental;
  • Desciam-se os resíduos dos aterros ou outras instalações de tratamento mais poluidora.

Segundo Oliveira (2015) A reciclagem de resíduos, assim como qualquer atividade humana, também pode causar impactos ao meio ambiente. Variáveis como o tipo de resíduos a tecnologia empregada, e a utilização proposta para o material reciclado, podem tornar o processo de reciclagem ainda mais impactante do que o próprio resíduo era antes de sair reciclado. Dessa maneira, o processo de reciclagem acarreta riscos ambientais que precisam ser adequadamente gerenciados.

Um dos motivos desses fatos apresentados demonstra que há a falta de uma parte fundamental do processo de diminuição e reciclagem dos resíduos descartados pelas grandes construtoras, que é a falta de fiscalização do poder público. Essa falta influencia diretamente no processo, na qual devem-se estabelecer diretrizes, critérios e procedimentos para a correta gestão do descarte dos resíduos, ainda mais que a construção civil é um dos setores que mais produz lixos sólidos no Brasil(OLIVEIRA,2015).

Desvantagens da reciclagem:

  • Custos de recolha, transporte e reprocessamento;
  • Maior custo de materiais reciclados (em relação aos materiais produzidos com matérias-primas virgens);
  • Instabilidades nos mercados para materiais reciclados, os quais podem ser rapidamente distorcidos por alterações na oferta e procura (nacional e internacional).

ECOSSISTEMAS: IMPORTÂNCIA E PRESERVAÇÃO

De acordo com Telles Benatti et al(2008). Com o desenvolvimento mundial crescendo cada vez mais, a construção civil simultaneamente também tem seu crescimento, fazendo com que, haja um grande aumento no consumo de recursos naturais. Assim, comprometendo diretamente a fauna e flora de um determinado ecossistema.

Ecossistemas estão se transformando e, em muitos casos, sendo degradados de forma irreversível. O crescimento da população mundial e o consumo exagerado aumentaram a demanda por recursos naturais, afetando diretamente as diversas formas da vida no planeta. (TELLES BENATTI et al 2008).

Segundo Telles Benatti et al(2008). Pelo crescimento da construção civil, as quantidades de resíduos sólidos acabaram aumentado muito, consequentemente trazendo para um determinado lugar um maior grau de poluição.

A importância do Tema

Para tanto, a necessidade de fazer uma adequada distribuição dos resíduos é muito importante. Com o desenvolvimento da tecnologia, o surgimento de mecanismos que ajudam nesta distribuição, minimizando os impactos ambientais causados por estes resíduos, trazendo para este ambiente uma menor poluição, contudo, ainda trás um benefício para as empresas, pois diminui os custos envolvidos na atividade. Sendo assim, é fundamental a reciclagem desses resíduos para a preservação, conservação e diminuição do consumo de recursos naturais meio ambiente. (GRANDE 2007).

A quantidade de resíduos sólidos gerados pelas atividades industriais também cresceu em importância mundial e ambiental, pois estes são produzidos por vários tipos de processo, representando milhões de toneladas por dia em todo o mundo.(TELLES BENATTI et al 2008).

A disposição adequada de resíduos passou a ser primordial para a preservação ambiental, surgindo a necessidade de se desenvolverem mecanismos que promovam a conscientização e a busca de soluções para a implantação de tecnologias capazes de minimizar os impactos decorrentes da disposição destes resíduos no ambiente e também reduzir os custos envolvidos nesta atividade. Destarte, a reciclagem de resíduos é fundamental para a preservação, conservação e redução do consumo de recursos naturais não renováveis do planeta, pois satisfaz às necessidades da população presente sem compormeter a sobrevivência das gerações futuras e também do próprio planeta (TELLES BENATTI et al 2008).

Segundo Zordan (1997) A reutilização dos resíduos gerados em uma determinada construção também pode ser uma alternativa para diminuir a poluição destes resíduos, causados pela construção civil como por exemplo, a produção de blocos e tijolos para materiais de construção.

Os resíduos produzidos pela indústria da construção civil passam, cada vez mais, a serem vistos como uma fonte alternativa de matéria prima, a ser reutilizada no setor. Dessa forma, incentivando esse processo e oferecendo bases científicas para o seu fortalecimento, realizou-se um estudo com o objetivo de analisar a reciclagem da parte mineral do entulho, utilizando-a como agregado na confecção do concreto. (ZORDAN 1997).

Soluções

Nessa busca de soluções que minimizem as agressões ao ambiente, destaca-se o setor da construção civil, que, sendo um ramo da atividade tecnológica consumidor de grande volume de recursos naturais, apresenta grande potencial para o aproveitamento de resíduos sólidos em materiais de construção  (TELLES BENATTI et al., 2008).

Contudo, nota-se que para ter uma redução nos impactos ambientais gerados pela construção civil existem maneiras como a adequada distribuição dos resíduos de uma construção ou o reaproveitamento de entulhos e resíduos na produção de blocos e tijolo.

Segundo VG Resíduos (2017) uma solução considerável é obter o controle do desperdício. Com isso, pode-se também diminuir os custos na obra e os impactos relacionados a produção de resíduos. Acredita-se que desperdiçar matérias e descartar resíduos, gera custos não apenas para a empresa, mas também para a comunidade em geral. Isso ocorre porque quando desperdiçado gera gastos para a empresa que retorna parte do prejuízo ao consumidor final. Outrossim, regências e a municipalidade, também tem gastos para recolher, tratar e descartar os entulhos.

Para VG Resíduos(2017) Estima-se que seja 40% (quarenta por cento) mais barato reciclar ou reutilizados materiais da construção civil, do que descartar os resíduos nos locais apropriados. Além da questão econômica, essa prática garante que uma quantidade menor de matéria prima seja extraída, diminuindo todos os impactos ambientais indiretos que isso implica.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE OS IMPACTOS AMBIENTAIS NAS OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

Conclui-se que a construção civil tem se destacado pelo grande volume de resíduos que vem sendo gerado, sendo um dos setores de atividades humanas que mais consome recursos naturais e usufrui de energia de forma intensa, isso acaba gerando grandes impactos ambientais. Além desses impactos há também aqueles associados a resíduos sólidos, líquidos e gasosos.

Na busca por reduzir os impactos gerados pela construção civil, tem-se discutido cada vez mais sobre sustentabilidade, envolvendo profissionais de diversas áreas, buscando uma solução viável para tal desafio.

A integração de práticas de sustentabilidade na construção vem crescendo no mercado, diferentes agentes como, governadores, consumidores, investidores e associações tem estimulado e pressionado o setor para incorporar essas práticas em suas atividades.

Dentre as principais razões para geração de resíduos se enquadram, as falhas de projetos, falta de planejamento, sendo o caso de pequenas obras que as vezes não tem planejamento algum, falta de procedimentos padronizados de serviços e etc.

Unanime: A política dos 3Rs é a chave

Indiscutivelmente reduzindo os resíduos é umas das principais maneiras de se reduzir os impactos ambientais, abrangendo alguns processos durante todo o ciclo de uma construção, pois o destino dos resíduos muitas vezes é inadequado. Com isso é necessário a busca por formas de reduzir, reutilizar e reciclar esses entulhos, esse método é chamado de 3Rs.

Reduzir: Nada mais é do que buscar ao Máximo maneiras de se utilizar a matéria prima sem que haja grandes desperdícios. Uma boa elaboração de projetos é um meio para que se tenha pouco desperdício, pois através dele pode se especificar os materiais mais indicados para uso, além de um método construtivo mais adequado.

Reutilizar: reutilizar consiste no método de reaplicar materiais sem que esses sofram algum tipo de transformação, por exemplo: em caso de demolições, reaproveitar janelas, portas e etc.

Reciclar: É o reaproveitamento do resíduo após o mesmo ser submetido a uma transformação, onde os resíduos passam por uma série de processos até gerar um novo tipo de material.

 

REFERÊNCIAS

ABREU, Carolina. Contribuição e Responsabilidade Social das Relações Públicas. https://politicaemidia.wordpress.com/2010/06/17/contribuicao-e-responsabilidade-social-das-relacoes-publicas/> Publicado: 17-06-2010 em Mídia e Política. Acesso em 27 de abril de 2018.

AGUILAR, Teresa Paulino de. Notas de aula de Sustentabilidade das Construções, UFMG, 2º semestre de 2008.

BANCO DO BRASIL, Universidade Corporativa. Notas de apostila Banco do Brasil e a Sustentabilidade Curso ministrado na GEPES BH em junho de 2006.

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA n° 307 de 5 de julho de 2002.

BARROSO-Krause, Cláudia Palestra sobre Conforto Higrotérmico e Concepção Arquitetônica, CREA – MG, 14/12/2008.

BUENO. 7 Praticas para diminuir os resíduos na construção civil. 2018

CORREA, Lasaro Roberto.Sustentabilidade na construção civil. UFMG, 2009.Desenvolvimento sustentável <https://www.passeidireto.com/arquivo/5192581/desenvolvimento-sustentavel-50hs_unid_ii>. Acesso em 28 de abril de 2018.

ESTOCOLMO. Declaração da Conferência da ONU no ambiente humano. Estocolmo, 5-16 de junho, 1972, (tradução livre).

FERNANDES; Teixeira. A reutilização de materiais na construção civil. 2006

GRANDE Mazzeo Fernando. Gestão de resíduos de Construção de Demolição (RCD) –2007 aspectos gerais da gestão pública de São Carlos/SP.Disponivel em http://www.redalyc.org/html/810/81050104/ Acesso em 20 de abr 2018.

JOHN, V. M. Reciclagem de resíduos na construção civil: Contribuição à metodologia de pesquisa e desenvolvimento. 2000. 102f. Tese de livre docência, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

KAWA, Luciane. A Sustentabilidade na Construção Civil. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: < http://professoralucianekawa.blogspot.com.br/2015/05/a-sustentabilidade-na-construcao-civil.html>. Acesso em 28 abril.2018.

OLIVEIRA, Carvalho. Reutilização de resíduos liberados nas construções civil 2015.

PANKA. Concreto com agregados reciclados: estudo de fatores de eficiência. Curitiba, 2011.

Resíduos sólidos: Gerenciamento de resíduos da construção civil: guia do profissional em treinamento : nível 2 / Ministério das Cidades. Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental (org.). – Belo Horizonte :Recesa, 2008.68 p.

SANTOS, Lilian Lucchesi dos. Proposta para um Conjunto Residencial Popular Sustentável, UFMG, 2007.

SANTOS, Silva. Resíduos sólidos da construção civil: caracterização, alternativas de reuso e retorno econômico

SEBRAE, Serviço Brasileiro de Apoio às Pequenas e Médias Empresas. Portal de Notícias do SEBRAE. Construções sustentáveis conquistam consumidores.disponível,em:<http://www.sebrae.com.br/portal/page/portal/portal_internet/asn_agenda/asn_pauta?_dad=portal&_pauta=7436> informações de 2011. Acesso em 28 de abril de 2018

SKOWRONSKI. Gerenciamento de resíduos da construção civil no município de São Carlos. UTFPR, 2013.

TELLES BenattI. Utilização de resíduos industriais para a produção de artefatos cimentícios e argilosos empregados na construção civil. Unicesumar, Maringá, 2008.

VGRESÍDUOS. Resíduos da construção civil: construindo valores de sustentabilidade. 2017.

ZORDAN.  Utilização de minérios como agregados no concreto. 1997.

 

AGRADECIMENTOS

“Serei eternamente grato a Deus por tê-lo em meu coração e por me proporcionar as maiores alegrias com a conclusão deste artigo, sem ele, nada sou!”

 

Agradeço primeiramente a Deus, por ter me proporcionado coragem, confiança, paciência e sabedoria para enfrentar todas as dificuldades encontradas neste caminho. Agradeço também a todos familiares que me ajudaram e incentivaram nessa etapa da minha vida, pois se não fossem os mesmos não realizaria este grande sonho que está prestes a se realizar, aos amigos e professores que sempre estavam junto me ajudando e orientando sempre que tive dúvidas. Muito obrigado a todos.

 

STEFANI, Mateus Gomes.

Impactos Ambientais Causados pela Construção Civil. Ano 2018.

 

Esse artigo foi útil? Não se esqueça de deixar um comentário.

Acesse nosso Blog para ver mais artigos!

Para mais informações a respeito, basta entrar em contato para conversar com o Engenheiro Civil de Londrina Gustavo Zampa. Ele terá o maior prazer em sanar todas as suas dúvidas.

Engenheiro Civil de Londrina. Especialista em Estruturas e Patologias de Construção Civil, executa projetos estruturais e de fundação, bem como Laudos, Perícias e Pareceres, além de Execução de Obras. “Seu Deus, nada sou”

Participe! Deixe um comentário.

Assine nossa newsletter

Se cadastre e receba conteúdos relevantes por email.

× (43) 99191-6682